Em busca de um novo normal

Por Vanessa Bencz | Tribuna Universitária

Durante debate online, professores especializados em ensino à distância refletiram sobre adaptações da universidade pública em realidade de pandemia

“A humanidade deve tomar consciência da incerteza do futuro e de seu destino comum”,

Edgar Morin

O autor foi apropriadamente lembrado pela doutora em educação Eunice de Castro durante o debate online “Ensino Presencial, Educação à Distância e Modelos Híbridos”, uma iniciativa do jornal Tribuna Universitária. Mediada por Fabiola Paulino da Silva, que é técnica em assuntos educacionais da Universidade Federal Fluminense (UFF), a conversa também contou com o professor da Unirio e doutor em informática Mariano Pimentel.

Segundo Fabiola, o objetivo desta conversa online era debater realidades das universidades em momento de pandemia, pós pandemia e pré-vacina contra covid-19. “Como será a universidade pública nesta realidade?”, provocou a mediadora.

A primeira a expor pensamentos foi a professora Eunice, que é integrante do grupo de pesquisa de formação docente e tecnologias (ForTec) da Pontifícia Universidade Católica (Puc) do Rio de Janeiro, além de professora e coordenadora da disciplina de Didática do curso de Licenciatura e Pedagogia à Distância na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf).

“Como continuar garantindo os processos educacionais diante desse cenário?”, interpelou a professora Eunice. O primeiro ponto de interrogação cravado por ela é relacionado ao acesso dos estudantes às ferramentas online. Diante das circunstâncias do contexto brasileiro – que trata-se de uma enorme desigualdade de acesso – como cada instituição vai garantir esse alcance? “Existe um ideal, o possível e as oportunidades que temos em discutir sobre educação à distância de ensino superior”, diz.

“Existe um ideal, o possível e as oportunidades que temos em discutir sobre educação à distância de ensino superior”

Eunice de Castro

Para Eunice, é de primeira importância que os professores sejam acolhidos e treinados para lidar com ferramentas do mundo virtual, quebrando um ciclo de insegurança e preconceito para com as técnicas de ensino à distância.

O segundo convidado foi Mariano Pimentel, que tem experiência de uma década como professor da disciplina de Informática e Educação do curso de Formação de Professores e à distância da Unirio. Ele acatou cada palavra da professora Eunice. “É inusitado que professores de ensino superior discutam as próprias práticas”, lamentou. “Mas mesmo quem tem experiência com educação à distância está vivendo um momento novo”.

…mesmo quem tem experiência com educação à distância está vivendo um momento novo

Mariano Pimentel

O professor também falou sobre tecnofobia – que trata-se do medo de tecnologias e dispositivos digitais. Mariano ainda enriqueceu seu pensamento dando como exemplo a forma como o cinema trata do tema humanos versus tecnologia. Existem inúmeros filmes que tratam do medo das máquinas, alguns deles inclusive clássicos que são sucesso de bilheteria, como “O Exterminador do Futuro” e até produções mais recentes, como “Her”.

Mariano ainda frisa que a ambiguidade natural versus artificial precisa cair por terra, e é necessário ressignificar questões de humanidade. Nem sempre o afã pelo olho no olho será superior a uma conversa de qualidade pela internet.

O debate completo pode ser acessado no canal da Tribuna Universitária no youtube

Seja o primeiro a comentar

Comente!