Future-se: a não-solução para um falso problema | Margarida Salomão*

No correr dessa semana, o MEC apresentou aos Reitores das Universidades Federais e, depois, à sociedade, uma proposta que, alegadamente, equacionaria o financiamento da educação superior e, ao mesmo tempo, reforçaria a autonomia acadêmica.

Considerados desapaixonadamente os fatos, o projeto Future-se ( sic) não faz nem uma coisa nem outra.

O programa é tão vago que chega a ser difícil criticá-lo a não ser pelos fundamentos que o justificam, pela lógica que a ele preside, e pelas eventuais consequências que sua adoção suscitaria.

O Secretário da SESU abriu sua exposição anunciando que o problema das Universidades não é de recursos, mas de gestão. Grave erro de análise: faltam recursos, sim; comprimidos estruturalmente pela EC 95 e conjunturalmente pelo contingenciamento orçamentário. De outro lado, os resultados apresentados pelas universidades públicas demonstram serem elas bem geridas.

Os elogios feitos pelo MEC à boa gestão ilustram casos de adequação à escassez. Entretanto, é exatamente a escassez que oprime e prejudica a evolução da universidade pública no Brasil . E é da escassez que o Futurese não trata.

Não quero ser injusta: o programa anuncia a criação de Fundos de Investimento no valor de aproximadamente 100 bilhões de reais, a serem constituídos com recursos obtidos pela alienação de imóveis da união. Tudo nessa proposta é virtual. Os imóveis ( quais?) ainda precisam ser alienados; os Fundos ainda têm de ser constituídos, sua gestão determinada, a apropriação de seus rendimentos, estabelecida. Tudo por vir.

Os “ novos” recursos de que se poderia também lançar mão são conversa requentada. As Universidades e Institutos já geram recursos próprios com pesquisa, extensão, prestação de serviços, inovação, incubação de empresas, inclusive startups. A maioria das startups do Brasil tem relação com universidades: públicas! Aliás, quatro das seis startups unicórnio no Brasil de 2019 procedem da USP…

O problema com os recursos próprios das Universidades não é gera-los. É usá-los – já que costumam ser contingenciados pelo governo federal…

Sempre bom lembrar que a legislação para a Inovação no Brasil já existe: a Emenda Constitucional 85, de minha autoria, promulgada em 2015 e o Marco Nacional da Ciência e da Tecnologia sancionado em 2016 pela Presidenta Dilma Roussef.

Vale ressaltar que esses recursos próprios gerados por Universidades e Institutos têm caráter complementar no financiamento de Universidades. No Brasil e no mundo inteiro. Quem sustenta as universidades de ponta no mundo inteiro, as atividades de formação, de pesquisa e de desenvolvimento, é o poder público. Inclusive Harvard, coitada, tornada, num universo de ignorantes, a Meca da Mentira Enobrecedora. Para informações detalhadas a respeito sugiro a leitura do livro O Estado Empreendedor, de Mariana Mazzucatto, de 2013, traduzido para o Português em 2014.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ainda no capítulo “geração de recursos adicionais”, o programa menciona a Lei Rouanet para financiar as atividades de Extensão. Também não se explica como isso seria feito mas a mera sugestão indica um forte desconhecimento do que seja a Extensão universitária. Inovação e Desenvolvimento Tecnológico são, por sinal, parte da Extensão…De que modo a Lei Rouanet seria aplicável?

Relido o plano, constata-se que nele pouco há de novo. Recomendações, por exemplo, contra a prática de nepotismo já constam das normas que regulam o serviço público embora frequentemente desacatadas pelo atual governo…

E , no que há de novo, não há nada de bom.

Confunde-se, malignamente, autonomia universitária com desresponsabilização do estado frente à educação superior. Quem quer propor administração das Universidades via OS, através de contrato de gestão, está brincando ao falar de autonomia. O contrato encabrestará a instituição a metas estabelecidas de fora para dentro, sem nenhum respeito à história ou à dinâmica institucional. Crítica a esse tipo de solução foi feita há muitos anos atrás por Marilena Chauí e continua valendo.

Outra marca da proposta do MEC é a apologia do “gerencialismo”, aquela panaceia de aplicar às políticas públicas os critérios e métodos da gestão privada.

Em primeiro lugar, as recomendações são desnecessárias. Instituições submetidas a CGU, a AGU, ao TCU ( todos os componentes do Satânico Sistema U, de que falava o Professor Luís Pinguelli) não precisam de práticas adicionais de “compliance”.

Em segundo lugar, a tradição de formação de decisões em uma comunidade com as características da sociedade universitária repele a razão empresarial. No nosso caso, tratamos como autonomia intelectual e inteligência crítica o que em outros contextos pode ser chamado de “empreendedorismo”. Para fazer dentro da Universidade, não basta ter capacidade de iniciativa. É necessário ter também capacidade do convencimento.

Por último, remédios errados para doença inexistente podem comprometer a situação da saúde institucional.
Nos últimos anos Universidades e Institutos Federais protagonizaram uma condição inédita na história do Brasil: deixaram de ser instituições socialmente elitistas e territorialmente concentradas para se tornarem bens disponíveis a população brasileira, presentes nos mais remotos rincões, próximas da vida e vivas na imaginação social. Essa a razão para as magníficas manifestações populares de maio deste ano. As Universidades tinham se tornado o sonho possível, de que o povo brasileiro não quer abrir mão.

Em nenhum país que preze por sua soberania e por seu desenvolvimento, Universidades podem ser tratadas como problema. Universidade é na verdade condição para uma evolução estratégica, de longo prazo, com justiça, prosperidade e paz. É esse o Futuro que conta. E por esse prometemos lutar.

*Margarida Salomão é deputada federal (PT/MG), Coordenadora da Frente Parlamentar em defesa das Universidades Federais, professora universitária, foi reitora da Universidade Federal Juiz de Fora.

Nota: Esse artigo foi originalmente publicado no site da Democracia Socialista, tendência interna do PT, à qual a deputada faz parte.

Os artigos publicados nessa seção, "Tribuna Livre", não são editados ou revisados pelo portal, sendo de inteira responsabilidade de seus autores. Para fazer uso da nossa tribuna livre, envie um artigo de 500 a 1000 palavras no formato .rtf para redacao@tribunauniversitaria.com.br com assunto "tribuna livre".

Seja o primeiro a comentar

Comente!