INEP sob nova direção

Por Vanessa Bencz, para o Tribuna Universitária

Da mesa do presidente às carteiras escolares, Marcus Vinicius Rodrigues leva bagagem administrativa e militar à autarquia que cuida do ENEM, ENADE e outras avaliações: INEP sob nova direção!

Marcos Vinícius Rodrigues
Presidente do INEP

Durante campanha para conquistar a presidência, Jair Bolsonaro (PSL) prometeu tomar conhecimento das questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) antes de serem aplicadas. A declaração foi feita por conta de uma pergunta do Enem de 2018 que cobrou do candidato o conhecimento específico sobre “dialeto”. Como exemplo, a prova mencionou uma linguagem usada pela comunidade LGBT. A discussão viralizou nas redes sociais, criticada por muitos e aplaudida por outros.

Não é de se surpreender que, neste momento, a liderança do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão do Ministério da Educação (MEC) que coordena o Enem, seja de alguém com muita sintonia com o pensamento de Bolsonaro. Marcus Vinicius Rodrigues, 63 anos, é a nova cabeça do Inep.

Trajetória

Rodrigues já foi consultor da Presidência da República pelos Correios e Telégrafos em Fortaleza e Brasília, atribuição para a qual se dedicou por 20 anos. Fez MBA em formação de executivos e mestrado em administração. Logo depois, empenhou-se em se tornar doutor em engenharia da produção. Apesar de ter formação em engenharia, atuou nessa área por pouco tempo, apenas no início da sua carreira. Com o passar do tempo, despertou interessem em áreas de gestão de pessoas.

Além disso, foi diretor executivo do Centro de Aprendizagem e Soluções Organizacionais no Rio de Janeiro. Rodrigues é editor da Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa. Marcus atuou como professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e integrou também a diretoria internacional. Dentro desta diretoria, ele ficou responsável por pesquisar ações para regiões da África e Portugal. Este é um dos nomes indicados pelo grupo dos militares para pasta da Educação. Em uma entrevista para uma rede de televisão de Moçambique, Marcus afirmou acreditar que a sociedade é muito “viciada em estudar autores norte-americanos. São autores muito bons. Mas nós, (os brasileiros) também geramos conhecimento. É preciso aproveitá-los”.

Polêmica indicação para coordenação do Enem

É importante destacar quem está nos bastidores do Enem a partir de agora. Murilo Resende Ferreira, de 36 anos, foi convocado especialmente por Bolsonaro para a coordenação do Enem. E tudo indica que as questões do exame devem passar pela mesa presidencial antes de serem submetidas ao conhecimento dos candidatos: o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, já confirmou que ninguém vai impedir caso Bolsonaro queira ter acesso prévio às provas.

Recentemente, Resende vive mais uma polêmica: foi acusado de plágio nas redes sociais por conta de um texto que ele garantiu ser de sua autoria. O artigo “A Escola de Frankfurt: satanismo, feiúra e revolução“, publicado no site Estudos Nacionais em 2018, parecia ser apenas uma tradução do texto “The New Dark Ages: The Frankfurt School and ‘Political Correcteness“, escrito por Michael Minnicino na revista Fidelio, do Schiller Institute, em 1992. Nas redes sociais, Resende explicou que se tratava de uma tradução adaptada.

Murilo Resende é conhecido nas redes sociais como um ex-integrante do Movimento Brasil Livre (MBL), um dos principais grupos que foram às ruas pedir o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Aluno dos cursos de formação livre de Olavo de Carvalho, Ferreira diz que os ensinamentos do filósofo foram definitivos em seu “amadurecimento intelectual”. É contra a doutrinação ideológica e um ferrenho defensor do programa Escola sem Partido – projeto de lei que, em tese, pretende resguardar os estudantes de supostas influências políticas e religiosas por parte dos professores.

A nomeação de Murilo Resende foi publicada no Diário oficial no dia 16/01, porém, no dia 17/01 foi publicada nova portaria suspendendo a sua nomeação. No entanto Resende não ficará desamparado: foi nomeado assessor da Secretaria de Educação superior em edição do DOU pulicada no dia de hoje. [Atualização: 18/01/2019, às 8h24]

Leia mais

Essa matéria faz parte da reportagem de estréia do portal Tribuna Universitária sobre os novos dirigentes do Ministério da Educação sob o governo de Jair Messias Bolsonaro. Confira outras matérias sobre o assunto:

4 Trackbacks / Pingbacks

  1. Ao som da corneta militar, apresentam-se os dirigentes do MEC -
  2. Discípulo de Veléz assumirá Secretaria Profissional e Tecnológica -
  3. Doutor em ciência da religião assume regulação se supervisão do ensino superior -
  4. É grande a influência dos militares no MEC -

Comente!