Professores da UFMG alertam que não é hora de flexibilizar o isolamento social em Minas Gerais

Flexibilização prematura das políticas de isolamento aumenta taxa de transmissão do vírus Raphaella Dias / UFMG

Por Cedecom | UFMG

Em artigo, grupo lista nove motivos para justificar a orientação, que se baseia nos critérios da Organização Mundial de Saúde e em experiências de outros países

Um mês a mais de medidas de distanciamento social pode adiar, em dois meses, o novo pico de infecções pelo coronavírus, evitando a sobrecarga do sistema de saúde. Essa avaliação é feita por seis professores da UFMG no artigo Por que ainda não é o momento de flexibilizar o isolamento social em Minas Gerais – nove argumentos com embasamento científico, publicado neste domingo, dia 10.

No documento, Cláudia Regina Lindgren Alves, Cristina Gonçalves Alvim, Elaine Machado, Luana Giatti, Sandhi Maria Barreto e Unaí Tupinambás, todos docentes da Faculdade de Medicina, argumentam que, “se o número de pessoas suscetíveis ao novo coronavírus for muito grande, os casos podem ressurgir rapidamente à medida que empresas, indústrias, comércios e escolas gradualmente retomam suas atividades, aumentando, assim, o contato social”.

O grupo de pesquisadores afirma que a flexibilização prematura das políticas de isolamento social provoca o aumento da taxa de transmissão do vírus. Segundo eles, o  R0 ou Rt – medida que indica o número de contágios que cada pessoa infectada é capaz de produzir – inferior a 1 indica que a transmissão do vírus na comunidade está diminuindo, e o Rt superior a 1 atesta que a transmissão está aumentando e pode acarretar uma segunda onda de infecções. E citam o caso da Alemanha, um país com planejamento rigoroso para reabertura, mas cujo Rt passou de 0,7 a 1 em apenas uma semana após o início da flexibilização.

Diante desse cenário de incerteza, os pesquisadores da UFMG insistem que o isolamento social ainda é a melhor prevenção contra o avanço da Covid-19. Com base nos critérios propostos pela OMS e por outros países, eles listam nove motivos pelos quais Minas Gerais ainda não apresenta condições para iniciar a flexibilização do isolamento social.

Os nove motivos

1) A transmissão do vírus no Brasil ainda não está controlada;

2) Nosso sistema de saúde ainda não está detectando, como deveria, as pessoas com Covid-19 em Minas Gerais (“subnotificação”);

3) Ainda não há um planejamento para a realização de testes em amostra representativa da população;

4) É necessário aprimorar a sistematização e a transparência das informações relativas aos serviços de saúde (profissionais, disponibilidade de leitos, insumos de proteção individual [EPIs], respiradores);

5) Os protocolos com as medidas preventivas e de controle em ambientes de trabalho, espaços públicos e escolas ainda não foram amplamente divulgados e debatidos nos diversos setores da nossa sociedade;

6) É insuficiente ainda o investimento em campanhas que promovam o engajamento da população e conscientização para adesão às medidas preventivas;

7) É preciso esclarecer como será a vigilância e o controle de possíveis novos casos importados de outras cidades e estados;

8) A “imunidade de rebanho” não ocorrerá tão cedo;

9) Ainda não há suficiente alinhamento quanto à política de prevenção entre os âmbitos federal e estadual para garantir ações coordenadas e efetivas.

Cada motivo é detalhado no artigo, disponível em formato PDF: artigo_por que ainda nao e momento de flexibilizar isolamento.pdf


Nota do Editor: Matéria originalmente publicada em UFMG Notícias

Seja o primeiro a comentar

Comente!